domingo, 30 de janeiro de 2011

Soneto do Luar

Estrela do céu,
Estrela do mar,
Leva meu olhar para te encontrar,
Nas ondas do amar,
Com o brilho do luar,
O infinito azul do mar,
À brilhar intensamente teu olhar,
No horizonte estrelar,
Quero te encontrar,
Na profundidade do mar,
E na brisa do ar,
Com o intenso amar,
À ti confortar,
Eternamente no teu profundo olhar,
Um brilho a cintilar ao me encontrar,
Para fundir o amor que tenho a ti dar!

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Soneto do Beijo

Beijo que te quero,
Beijo que te quero,
Por mais que te espero,
Nunca me desespero,
A ti deixar um selo,
Pelo apreço que te tenho,
Sélo um beijo no teu queixo,
Para te dizer que não te deixo,
Neste dia que agradeço,
Do amor que te descrevo,
Ter por ti eterno apreço!

Soneto da Vida

Vida,
Pura sensação de endorfina,
Na constelação divina,
Vale de emoção cristalina,
Junção por união de sintonia,
Oh Deus, quanta emoção jazia,
No berço que meu coração nascia,
Viva a predileção da sinfonia,
Quanta melodia,
Para te dizer que jamais iria,
Segura esta paixão por mais de um dia,
Para viver eterna devoção de ironia,
Já que um dia por ti me apaixonaria,
E nunca imaginaria quão bom seria!

Soneto dos Raios de Sol

Raios de sol,
Não mais a sós,
Pura afeição dos prós,
Numa visão de nós,
Bela fricção por vós,
Oh sutil amor...
Vaga por sua efervescência,
Dos laços fundidos em nós,
Para uma visão não mais atrós,
E sermos amantes das doçuras dos sóis,
Numa clara revelação em constelação por nós,
Um dia, quem sabe, cindido algoz,
Verdadeira loção de amor sem eterno pudor,
Doçura de cântico voraz,
Para te dizer jamais vais,
Sem me demonstrar o olhar que traz,
Oh paixão desmedida,
Juras por mim eterna vida,
E não me largas jamais com a minha vinda,
Por ti serei eterna vida,
Desmedida...

Soneto do Ano Novo

Ano Novo quanta energia,
Grande Paz que contagia,
Na melodia da euforia,
Se refaz a simetria,
Pelo dia e noite em confraria,
Da virada do ano com grande sinergia,
Um brinde à simpatia,
Com grande categoria,
A lhe dar harmonia,
No ano que se inicia!

Soneto do Coração

Um coração a mais de mil,
Amor hei de te dar como céu azul de anil,
Para uma vida sã e vil,
Em busca de uma afinidade sutil,
Neste final de ano agora não mais hostil,
Pura afeição de uma pérola servil,
Será mais que uma eterna felicidade senil!

Soneto do Pensar

Não sei mais o que pensar,
Quero fazer arte em teu altar,
E para ti pronunciar,
Não mais que um soar,
De um cântico no ar,
E sim para ti soletrar,
As ternuras de um olhar,
E com um doce selar,
De um beijo a te dar,
Para te despertar,
Com um tenro luar,
As estrelas do céu e do mar,
A ti caprichar para eternamente me amar...

Soneto do Mudar

Vontade de mudar,
Mudar as cores que cintilam nas flores,
Ou talvéz quem sabe os amores,
Não há mais pudores,
A dizer alhures vãs sentinelas de luzes,
E que um dia descruze as passarelas ilustres,
De mais um dia imune,
Às predileções das cruzes,
Andar e vagar de uma esfinge,
Cansada de amar corações alhures,
E de tanto pesar,
Um dia hei de estar ao teu lado,
E para sempre te amar...

Soneto da Solidão

Antes uma solidão gratificante que uma companhia entediante,
Tempo para se cuidar,
Olhar para si,
E crescer seu interior,
Sofismas com o tempo quem diria,
Não mais compadeceria a sua sintonia,
Nada como o dia que te esqueceria,
E uma paixão a mais jazia,
Ôh doce ironia... 

Soneto do Brilho

Meu brilho é reflexo do teu calor que me ilumina,
Que a estrela do amor angelical ilumine o seu coração,
Para o despertar de uma nova vida cercada da mesma pureza do afeto de uma criança,
Se o seu sonho for espelho do meu,
Então estaremos livres para sonhar em uma mesma direção,
E fazer do impossível,
O provável em nossas vidas!

Soneto do Espelho

E como é discreta a vida em sua sublime transitoriedade,
O que é sombra para uns,
Seria a luz parar outros na profundidade do real significado do que é o amor,
Senão que seria o sol e as estrelas escondidas dentro do nosso próprio eu,
O espelho do meu inverso também está descoberto,
A nudez da minha alma vaga na infinita imensidão da trajetoria solar que em mim habita,
Sou a obtusa luz das estrelas que o teu dia encandeia,
Porém serei o sol que clareia a lua na noite que em ti permeia,
E se tudo é luz,
Há consequente energia si,
Como no teu olhar também,
Procuraria-o para se fundir ao meu nas mais longuiquas constelações do infinito universal,
E lá vagar em par por oscilações previamente concatenadas em suaves formas de ondulações cinéticas,
Para não nos perdermos no infinito do tempo,
Em busca do equiliírio universal existente,
Permitindo pela projeção equidistantes de nós mesmos ao olharmos para o céu infinitamente,
Projetariamos nosso olhar onde não há barreiras à transpor,
E sem sairmos dos nossos lugares,
Poderiamos estar também presentes na outra extremidade do universo,
Em mentes fundidas na eternidade,
Para sempre...

Soneto da Paixão

Ao ecoar das asas,
Flamam as chamas da emoção,
Por junção de mais um coração,
Quão singela emoção em uma só dicção,
Com uma única função,
Ser a intuição mais que uma paixão!

Soneto da Cegueira

A cegueira da ignorância é a complacência da intuição detida,
Permeia-se no lastro do ádamo subestimado,
Onde vaga o coroamento do trono subentendido,
Translúcida é a bela Era da plenitude esbelta vivida,
Quão vaga a exalta pedra em tela esculpida!

Soneto do Vento

Vento que vem e traz,
Vento que vai e fica,
Vento que volta atrás,
Brisa do brilho,
Brisa da vida nunca esquecida e almejada,
Que pára e fica,
Atrás de ti,
Para ti,
E em ti...

Soneto do Amor

Se for amor...
Prefiro as quatro estações do ano em um só dia,
Vivendo intensamente,
Que o encantamento seja sempre...
Não quero o efêmero,
Quero o eterno,
Não o eterno de Vinícius,
Não o eterno enquanto dure,
Mas o eterno em sinômimo de sempre,
Quero você para sempre...
Não quero que meu eterno amor seja imaturo,
Sempre idealizei você como sendo uma pessoa diferente interiormente,
Mais amadurecida...sempre...

Soneto do Sem Palavras (24/05/08)

Um sorriso amarelo, Para os bons entendedores,
Sem comentários,
Nem sempre a intuição,
Apesar de sensata,
Confere com a razão,
Estar sem palavras,
Seria mais que uma expressão,
Outrora sua,
Corriqueiramente,
Porém atualmente minha,
Palavras não ditas,
São tanto positivas como negativas,
As últimas entendo ser da sua parte,
As primeiras já são minhas,
Portanto na luz outrora perseguida,
Agora já não mais resta nada,
A não ser...
Um oi...
Sim...
Sou eu...
Mas com quem falo,
Senão com uma meduindade minha,
Apesar de tosco para muitos,
Para poucos uma sensibilidade particular diferenciada,
Resta apenas esclarecer,
Quão longíqua essa viagem iniciada,
Se para ti nem sequer começou,
A estrada da consciência derradeira,
E portanto o amadurecimento da afirmação,
Não mais negativa,
E sim a positiva elucidação...

Soneto da Inspiração Maior (11/01/08)

Pensei um dia em te amar,
Quem sabe talvéz eternamente,
O olhar vago na estrada com neblina,
Sigo meus parcos passos,
Nessa tragetória que é a vida,
Oh... existência divina... 
Presentêa-nos com o mais sublime dos encantamentos:
Amor...
Palavra tão curta, porém de tamanha profundidade,
ou seria melhor: expressividade...
De que vale esse doce sentimento,
senão a delícia de transmiti-lo e compartilhá-lo com quem se ama,
Mas te digo que jamais antes pronunciei,
Senão que apenas te amo e sempre,
Unicamente... te amarei...

Soneto do Parabéns_by me to my sister Fabi (19/03/2008):

Sucesso eterno,
Etério emérito,
Guarda a fruição do progresso,
Na conclusão estrelada,
Parte boa... parte fraca,
Mais vale a experiência levada,
Na ascenção almejada,
Progresso,
Sucesso,
Emérito,
Progresso,
À ti pertence a chave da encenação,
Não mais vil que a elucidação da conclusão hostil,
Progresso,
Sucesso,
Emérito,
Progresso,
Salve as bênçãos da constelação,
Profunda chuva de elevação,
Na carreira desejada e perseguida,
Salve à vida,
Salve à ti,
Neste dia,
Parabéns por existir,
Parabéns pelo dia feliz,
Consumido pela ausência de uma família,
Aqui... também feliz,
Seja feliz,
Não mais que feliz,
Apenas feliz,
E sempre feliz,
E principalmente hoje feliz,
Fazendo o seu dia mais feliz,
Para te dizer somente um bom e...
FELIZ ANIVERSÁRIO!!!

Soneto do Fraterno Encantamento_by me to my sister Raíssa (01/07/07):

Amo-te como a mim mesma,
E sempre,
Por todo seu encanto,
Estarei presente ao mais suspiro inocente,
Pois neste coração quente bate a saudade da família sempre presente,
Ao ver em ti meu sangue também correr por tuas veias,
E na tua face encontrar-se estampado o mesmo olhar e sorriso quando me vejo,
Traços e laços que Deus imprime àqueles que se amam, possuem afinidades e por Ele quer sedimentar uma linhagem hereditária...