segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Soneto dos Raios de Sol

Raios de sol,
Não mais a sós,
Pura afeição dos prós,
Numa visão de nós,
Bela fricção por vós,
Oh sutil amor...
Vaga por sua efervescência,
Dos laços fundidos em nós,
Para uma visão não mais atrós,
E sermos amantes das doçuras dos sóis,
Numa clara revelação em constelação por nós,
Um dia, quem sabe, cindido algoz,
Verdadeira loção de amor sem eterno pudor,
Doçura de cântico voraz,
Para te dizer jamais vais,
Sem me demonstrar o olhar que traz,
Oh paixão desmedida,
Juras por mim eterna vida,
E não me largas jamais com a minha vinda,
Por ti serei eterna vida,
Desmedida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário