segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Soneto da Solidão

Antes uma solidão gratificante que uma companhia entediante,
Tempo para se cuidar,
Olhar para si,
E crescer seu interior,
Sofismas com o tempo quem diria,
Não mais compadeceria a sua sintonia,
Nada como o dia que te esqueceria,
E uma paixão a mais jazia,
Ôh doce ironia... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário